RETIRE O SEU DINHEIRO DA POUPANÇA

O Tesouro Direto possui diversos títulos que se adequam ao seu objetivo. Todos eles possuem uma boa rentabilidade, diversos prazos e a flexibilidade de aplicações a partir de R$ 100,00.

 

 

 

Você já deve ter ouvido falar que é ótimo investir no Tesouro Direto.

Mas é interessante entender que o Tesouro Direto não é um investimento em si, mas sim um programa desenvolvido pelo Tesouro Nacional e pela BM&FBOVESPA para facilitar o acesso de pessoas físicas aos títulos públicos do Tesouro Nacional.

Esse sistema foi iniciado em 2002 e desde então tem democratizado o acesso aos títulos públicos federais.

Antes, eles só podiam ser comprados por gestores de grandes capitais de fundos de investimentos. Então, para aplicar no Tesouro, era preciso contar com uma intermediação.

Investia-se de forma indireta, mas tudo mudou com o programa, que recebeu esse nome porque possibilitou que qualquer brasileiro possa aplicar a partir de valores democráticos em títulos públicos federais.

Por isso, hoje é muito simples aplicar em títulos públicos. O que muitos ainda não aprenderam é a importância de planejar os investimentos.

Nunca invista por investir, você precisa ter um objetivo para saber se de fato os seus investimentos estão ajudando você ou não a atingir os seus sonhos.

Como todo título de dívida, os títulos federais são dívidas que o Tesouro Nacional abre para captar dinheiro e depois devolvê-lo com lucro.

Em outras palavras, ao comprar um título de dívida, do Tesouro Nacional ou qualquer outro emissor, você estará emprestando o seu dinheiro ao emissor.

Confira agora os principais motivos para começar a investir no Tesouro Direto:

Segurança

No caso dos títulos do Tesouro Direto, você estará emprestando dinheiro ao emissor mais seguro do país: o próprio Brasil. Então, os dois riscos envolvidos em investimentos são praticamente inexistentes nesses investimentos.

Todo emissor pode ir à falência e dar o calote nos seus investidores, no entanto, com o Tesouro Direto, a possibilidade de isso acontecer é extremamente remota. Imagine que para a base da economia falir e dar o calote, todos que estão sobre ela devem falir antes.

Isso inclui bancos, outras instituições financeiras e empresas. Então, é por isso que se acredita que praticamente não há risco de calote com o poder público e os seus investidores.

O segundo risco é o da rentabilidade oscilar. Isso vai depender do título que você escolher. Por exemplo, o Tesouro Selic varia de acordo com a Taxa Selic.

A rentabilidade também pode ser mesma combinada no momento da compra, como no Tesouro Prefixado. Mas o importante é que de maneira geral, os títulos do Tesouro são considerados estáveis.

Saiba mais sobre a rentabilidade desses títulos no próximo tópico.

Rendimento

A rentabilidade do Tesouro Direto pode ser previsível. Quando atrelada à Selic ou IPCA (inflação), por exemplo, porque nesses casos o rendimento será exatamente igual ao índice. Se é atrelada a uma taxa fixa, vai obter essa taxa fixa de forma constante.

Por isso, pode ser muito seguro aplicar nos títulos federais. A tendência é que o simulador do Tesouro Direto informe de forma quase precisa a sua rentabilidade.

No entanto, como dito no tópico anterior, existe uma cotação sobre os títulos que possuem parte ou todo o seu rendimento prefixado.

Acontece que apesar de você garantir uma taxa fixa, os novos títulos continuam variando de acordo com o mercado e com as taxas que são atreladas a eles.

Então imagine que você adquiriu um ativo que rende 10% + taxa IPCA e 12 meses depois a taxa Selic e IPCA despencam. Agora só existem títulos que pagam 5% + taxa IPCA. Então, quem tinha um ativo de 10%, possui um investimento raro.

Por isso, é justo que o seu valor de mercado aumente. Foi assim que o Tesouro Direto rendeu 53% em 2016.

Leia mais:

Tesouro Direto registra décimo mês seguido de saques

+Dicas rapidas: O que é preciso para investir no Tesouro Direto

+LIQUIDEZ DIÁRIA: 3 INVESTIMENTOS QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA

Liquidez diária

Diferente da caderneta de poupança que promete liquidez diária, mas só permite resgate sem perda de rentabilidade uma vez por mês, no aniversário da poupança, o Tesouro Direto possui a liquidez diária que pode ser considerada a mais segura e rentável do mercado.

Isso ocorre porque alguns títulos públicos além de permitirem o resgate em 1 dia útil, também oferecem um rendimento diário, diferente da poupança que, como mencionamos, só rende uma vez ao mês.

Se você precisar do seu dinheiro, basta fazer o resgate. Como dito, apenas tome cuidado com os títulos de longo prazo que possuem oscilação em sua cotação.

É indicado que você aplique a longo prazo apenas se está disposto a levar o dinheiro até o vencimento.

Caso surja um bom momento para vender o seu ativo, com lucro, você pode e deve fazê-lo antes do prazo. Essa é a gestão ativa do Tesouro Direto.

Praticidade

O Tesouro Direto é muito prático. Você pode uma conta em uma corretora de valores e em pouquíssimo tempo aplicar em títulos federais. Só precisa ter internet e um computador ou celular.

Ao contrário do que muitos acreditam, é muito fácil aplicar no Tesouro Direto. E você não precisa ser nenhum expert em investimentos.

Por ser tão simples e prático, todos podem se tornar investidores de verdade, fazendo dinheiro trabalhar e render.

Versatilidade

Como já falamos, existem variações de títulos federais. Eles podem ser usados em diferentes estratégias de investimentos. Cada um possui um tipo de rentabilidade. Saiba mais nos próximos tópicos.

Veja este vídeo complementar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *